Lá... bem onde nossos olhos precisam olhar bem alto.
Escondidinhas entre as árvores, mora a família coruja.
Descobri-a, numa de minhas excursões pela mata fechada, numa das muitas em que me perdi.
As estórias que me contavam, diziam-nas tão feias ....Que só viviam escondidas e só saiam quando a noite se fazia bem negra, pelo medo de serem encontradas e, ainda mais, de se sentirem rejeitadas.
Eu já me sentia cansada e desanimada de encontrar o caminho de volta.
Encostei-me, bem devagar ao tronco daquela árvore frondosa e adormeci.
Quando a manhã raiava seus primeiros raios de sol, senti a revoada das corujinhas chegando.
Olhei acima e me escondi, um pouco mais.
Mas... quem diz que se escapa aos olhos de uma coruja?
Elas, um pouco receosas perceberam que meu olhar infantil nada havia de ameaçador.
Uma delas, começou a se balançar no cipó como a querer deixar-me bem à vontade.
As outras confabulavam, ainda, olhando-me, meio que assustadas.
Mas, mesmo assustadas tinham uma doçura no olhar que nem em olhos de amor eu encontrei.
Uma, talvez a mais novinha, ainda não acordara de todo e cochilava, tranquila.
Então, queridos amiguinhos, cheguei à conclusão de que beleza, todos temos.
Basta, apenas, que saibamos direcionar nosso olhar e que retiremos de nossos corações, compaixão, entendimento, aceitação e, principalmente , respeito.
As corujinhas, desde então, me parecem as mais belas aves da natureza.
Conduziram-me de volta à minha casa. Eis que elas conhecem toda floresta.
Como homenagem às minhas amadas corujinhas tenho em casa, alguns bibelôs de várias avezinhas.
Minhas corujinhas estão lá e tenho por elas todo o carinho do meu coração.
Se um dia, vocês as virem...reparem-nas.
São lindas!!! Lindas!!! e sempre serão, para mim, as mais lindas que já vi, principalmente aquela que se balançava como que a me chamar a atenção....
Se um dia as encontrarem, digam a elas que as amo e que delas sinto saudades.
Por isto, quantas vezes... quantas, me pego cantando e enquanto canto minha alma solfeja em lágrimas:

"Corujinha, corujinha, que saudade de você"!

26/12/2008.

Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 

 

 




 





No ar desde 10/02/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600

Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br