Nosso amor de ontem trouxe-me a certeza do meu amor de hoje.
Não sei em que onda sonora viajei, e em que esquina da vida, em que céu,
em que nuvem, ou estrela, eu o encontrei...
Ou, quem sabe, foi no redemoinho louco que atiçou o vendaval, ou mesmo nas ondas do mar... quiçá, num temporal.
Nosso amor de ontem abraça-me o peito inerte, inflamado como tumor que precisa ser extirpado apenas... estancar a dor.
Você se foi...contradizendo todas as promessas de que jamais me deixaria.
Mas... é no nosso amor de ontem que eu acredito.
É em tudo que possa ter sido dito, por mim e por você.
Nosso olhar... tão sedento de nós!
Hoje... é quase cegueira sem cura, obstinado em nossa procura.
Nossos beijos selando nossas bocas e consumando-nos os corpos, na hora da entrega.
Perderam o gosto do mel,
Calaram nossos desejos!
Ah! O NOSSO AMOR!
De quantas saudades e lembranças haverei de vivê-lo, agora?
Não, amado meu, eu me recuso a que me contem
que o nosso amor morreu.
Como a Fênix, das cinzas do passado eu o terei, sempre, ao meu lado.
E os anos, as saudades... que o remontem
Pois... eu viverei, para sempre, do
Nosso Amor de Ontem!


24/06/08 03:50h

 

 

 

 

Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 

 




 





No ar desde 10/02/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600

Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br