Naquele exato momento em que nosso olhar
pedia guarita ao sentimento... Transpassado,
crucificado olhar... cruzaram-se nossas palavras, no ar.
Não conseguimos decifrar, tão pouco, filtrar o que era dor.
Não consegui deter a flecha e a tua palavra

feriu-me e feriu o meu amor.
Não conseguiste fechar-me a boca e proferidas

foram as minhas palavras
qual coroa de espinho a sangrar-te o peito e o coração.
Palavras cruzadas... abateram-nos o peito,

sangraram nosso amor!
E o nosso olhar relutante partiu

como triste mutante, um ponto, uma vírgula, sei la...
E as palavras cruzadas, na vertical...mal amadas
Na horizontal...sem final.

 

 

 

Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 

 




 





No ar desde 10/02/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br