Ah! meu amado...
Por onde andarás agora?
Sinto uma saudade imensa
De, novamente, em meus braços
te aquecer... e me aquecer, em ti.
Fez-se um buraco em meu peito
um vazio...como um defeito,
Que não se pode sanar.
Prometeste que te irias
mas que breve voltarias
para, enfim, me encontrar.
Mas ...minha intuição me avisa
De que me deixaste de lado,
De que teus olhos vislumbram
E procuram, encantados,
Lugares nos quais não estou.
Sonhas outras fantasias
Outros leitos, novos dias...
Até de ficares por lá.
Só te esqueceste, meu bem,
De que enganos existem
E só um caso...
Não revela o que comigo
viveste.
Viveste o amor mais puro
Certamente, o teu porto seguro
Do qual te queres apartar.
Se queres ir, vá.
Eu nada posso fazer
E nem quero te segurar.
Mas, um dia, por certo,verás
E esta é a questão...
Amor como o nosso, meu bem,
Não se encontra em qualquer esquina,
Nem em qualquer estação.
E se um dia te aperceberes
E me quiseres de volta
Com certeza, te direi não!
Inerte, desfalecida...
Apunhalaste-me o peito
Fizeste-te homicida
do meu amor, minha vida
Foste só...
DECEPÇÃO!

Fevereiro de 2008

===========================



Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos





No ar desde 10/02/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br