No meu olhar encontrarás minhas memórias
mergulharás sem limite e poderás desembrulhar
minhas feridas, ouvir-me as estórias...
E ficar, ou partir, esquecer ou testemunhar
as emoções e as razões da minha vida.

No meu olhar sentirás o meu queixume

Nas entranhas da minha dor, no transfigurar
da minha face... no negrume da noite, do meu leito
no parto silente da solidão que me aprisiona.
A janela aberta... do meu olhar
e minhas asas que não voam
Como eu queria, espaço adentro flutuar
no infinito deste momento e perpetuar o esquecimento.
No meu olhar...
No meu olhar te escorregarás na minha dor e
ensandecida eu gritarei
escondida num canto qualquer de pranto e sentimento
à margem do meu tormento
Testemunha serás do gotejar intermitente, como vertente,
latejando... chorando... chorando...
do meu olhar.
No meu olhar...
Só encontrarás, tristeza, decepção, fraqueza

Enquanto, do amor não sofrer
o brilho nem a sensação
do ápice da entrega e da paixão.
Do reconhecimento e da imensidão
caminho e direção
O MEU OLHAR
só sobreviverá
Se o teu olhar encontrar
e indiferente de meu e teu
Quando te olhar
Quando me olhares
à luz do amor reconhecer
Imensamente... profundamente
a existência de um só olhar.
O nosso olhar... O nosso olhar
O NOSSO OLHAR!

************
Belo Horizonte/10/03/08

==========================




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos




No ar desde 10/02/2008



 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br