De priscas eras sou viajor,
retirado de um todo
e convertido em rastilho,
incandescido ao sopro do Criador.

Espraio-me por entre mundos,
ora irradiando luz,
ora ofegando ao peso da cruz.

Sou corisco capilarizado,
seguindo em linha reta,
ou ensandecido em desvios laterais,
como se fossem teias,
ou sangue que corre nas veias,
quais rabiscos serelepes de luz,
esculpindo gráficos iluminados
em matrizes de escuridão.

Cada viagem minha,
comparada à eternidade,
é átimo de faísca elétrica,
ou de relâmpago que fende nuvens,
iluminando a vastidão.

Meu corpo é roupa emprestada,
a ser desvestida ao final de cada jornada.

Sou hóspede e aprendiz da vida,
buscando imprimir bom jeito
às coisas da lida,
para tornar cheio de paz
o meu peito.

Sou centelha divina,
minha essência é o amor;
sou laço, abraço,
alma, espírito, paixão.

Sou coração.


07/06/2009

==================




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos





No ar desde 10/02/2008




 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600

Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br