Chuva fustiga a vidraça
Vento zune nas frestas
Monotonia insistente
De noite chuvosa
 
Espírito entorpecido
Caio na indolência
Em mim tão frequente
Que nem sei definir
 
Entrego ao papel
Meus versos trêmulos
Criações defeituosas
Da imaginação ardente
 
No meu estilo estouvado
Feito torre de babel
edificada em versos
que só eu entendo
 
E a chuva continua
Relâmpagos de vez em quando
A iluminar meu espaço
 
Meu silêncio
Somente é quebrado
Pela queda d` água
Que envolve meu quarto
E afoga minha alma
 
 

*******************

===========





Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos



 

No ar desde 10/02/2008




 


 | Home  | Menu  | Fale Comigo  | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados

web: www.mis.art.br