Já sei,

pensaste que não doía

e se não visses hoje,

verias outro dia.

Quantas vezes pensei assim..

 

Enganaste-te,

ao pensar assim e digo-te,

certamente , que doeu...

Ai de mim!

 

Entendo,

achaste que estavas atento,

mas esqueceste que o vento

      pode ficar zangado,

        virar tornado

e levá-la de ti..

 

Ainda bem que entendeste

Que por todo tempo,

foste tu,

      que estiveste atenta

        a que me pudessem levar de ti.

          Mas... não,

Não foi o vento...

 

Hoje já é outro dia

e nada te dará alegria

de vê-la aqui!

Pode colocar bandeiras,

alto-falante, som,

trazer banda

recomendar a música primeira

que a pessoa que amas

não ouvirá tua declaração!

 

Quantos...

Quantos hoje se tornaram ontem

e quanta amargura deixaste em mim

Nada fiz, cruel engano!

Vivem,  em mim, todas as declarações

silentes, inocentes...quase dementes.

Que fiz para ti.

 

Vai, tenta aí !

Pode gritar do meio da praça

que a amas de graça

que não a verás sorrir!

 

Isso nunca se pensa

       e se vem a mente

          a gente condena,

mas não deveria ser assim!

 

Mas... eu me esgotei!

Nada mais tentar, irei,

Seguirei vazio de minhas seduções

Preteridas,  não entendidas,

reles,  ao poder de  tua mente!

Mas saiba que...Eu também condeno

 

Antes

que levem quem amas,

antes

que o orgulho te cegue

diga a quem teu coração reclama:

     -  PRECISO DE TI! -

 

Depois

e ante a realidade de  te ter perdido,

Pobre de meu coração errante

e sem destino

Que seguirá

gritando...Para quem quiser ouvir

 

PRECISO DE TI!

 

E , em viver sem ti...

Melhor será

Que se lhe abortem a sorte...

Pois, eis que me condenas

Mesmo em vida,

meu amor, sem ti...

 

Eu vivo a própria morte!

 

 


 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados