Numa tribo bem no coração das florestas e dos rios  vivia uma indiazinha que amava os animais, principalmente os animais selvagens que rondavam as aldeias e que eram caçados para a sobrevivência das tribos.

Ela tinha o poder de atraí-los com o olhar, olhar penetrante e cheio de amor. 

Um dia seu pai após voltar da caça viu que todos animais que perseguira e perdera ali estavam bem aos seus olhos e junto à sua filha.

Armou o arco e as feras quando perceberam debandaram mata a fora.

Somente um lobo ficou e, com seu olhar impôs tanto medo ao índio que ele correu para a cabana puxando a filha.

A indiazinha muito relutou mas, ao ver que o lobo se fora, entrou sem oferecer nenhuma resistência.

Uma consulta ao pajé foi feita, ao feiticeiro e todos os mais velhos foram ouvidos.

Muitas danças oferecidas aos seus deuses em busca de uma explicação mas nada acontecia.

E a indiazinha crescia e seus olhos mais e mais se aproximavam aos olhos do lobo com o qual ela era sempre vista.

O lobo deixou de ser um animal temido e, pelo contrário, era respeitado por toda tribo e acreditava-se que era o guardião da pequena índia.

Em homenagem ao lobo a pequena índia passou a ser chamada de Lobinha e, também, a ser reconhecida como a mais bela índia de toda a tribo.

No entanto, aproximava-se a época em que Lobinha deveria se casar.

Um dia, em seus encontros mais secretos com seu amigo lobo contou a ele o que os pais queriam. O lobo, pela primeira vez chorou e embrenhou-se mata adentro e nunca mais voltou.

Lobinha adoeceu e foram chamados os feiticeiros, os pajés e lhe oferecidos poções mágicas mas de nada adiantou.

Um simpático índio foi o escolhido para se casar com  ela na esperança de que ela se curasse e se esquecesse de seu amigo, o lobo.

Depois de vários anos aconteceu o casamento.

No momento mágico da cerimônia ouviu-se um uivo sofrido e choroso. Era o lobo.

Lobinha  embrenhou-se pela mata  que tão bem conhecia.

Escondeu-se dentro da cratera de uma enorme árvore à beira de um rio.

Dias depois deitada por cima de seu fiel amigo ambos foram encontrados mortos.

Diz a lenda que em noites de lua cheia um vulto é visto caminhando pela floresta. Ouve-se o  uivo do lobo.

Ele a encontra,  toma-a como por encanto, coloca-a nas costas e um redemoinho se forma e ambos voam para a lua.

 
 

Amiguinhos, sabem qual a verdadeira característica de uma lenda?

Significado e observações sobre o que é uma lenda.

Onde percebeu o ponto mais interessante e característico dessa lenda?

len-da  s. f. singular, feminino)

Narrativa de caráter interessante , em que fatos históricos são deformados pela imaginação popular ou pela invenção poética. As lendas frequentemente contêm um elemento real, mas às vezes são inverídicas.
Narrativa escrita, digna de se ler. Narrativa de sucessos fantásticos. Conto. Tradição popular. (Fig.) Mentira. Narração fastidiosa.

Sinônimo de lenda – Mito

Algumas rimas -

fazenda · prenda · encomenda · contenda · oferenda · tremenda · renda · reprimenda · emenda · agenda · tenda · venda · fenda · comenda · merendan

Mitos e Lendas do Brasil, mitologia, contos e lendas populares, lendas e mitos da cultura popular brasileira, saci-pererê, curupira, boitatá, lobisomem e mula-sem-cabeça, festas populares, Dia do Folclore, festividades e comemorações, contos folclóricos do nordeste, principalmente.

No Folclore de 2013  iremos explorar bastante este assunto, principalmente focá-lo através da lendas indígenas.




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados