Vivia, em um belo lago, lugar muito bonito, um casal de marrecos, ou patos selvagens, ou garças, isto eu não sei especificar. Bem, eles se parecem com patos mas não são patos e também não eram marrecos e, as garças, acho que não eram pois eu só as conheço, na cor branca.

A diferença é que são mais fortes que os marrecos, sabem se defender bem daqueles que os querem atacar. Com bicadas nas pernas, eles põem para correr. Gostam muito de nadar mas vivem, também, fora da água.

Acontece que, quando chegava o inverno tinham que se mudar, procurar outros lugares mais quentes para, principalmente, proteger os filhotes. E eles, partiam, e voavam de noite e de dia para outro lugar encontrar.

E neste voo, silencioso, choravam quando deixavam cair um de seus filhotes que carregavam, no bico.

Um dia, houve uma enorme tempestade e o casal teve que descer ao mar e lutar para proteger os filhotes.

As furiosas ondas a todos separou e eles morreram enviando ao céu seu choro de lamento e de dor.

No outro dia um sol radioso nasceu, apareceram nuvens lindas e, à noite, a lua para mais beleza trazer à natureza. O mar, calmo e tranquilo jogava para a praia tudo que não pertencia às águas.

Os frágeis corpos dos, acredito, patos selvagens foram jogados na areia, morna e silenciosa. Como milagre, um coraçãozinho batia... bem devagar.

A pobre mamãe abriu os olhinhos em sua silenciosa angústia olhou o céu, clamou pela lua dourada e majestosa. Ó lua, tão formosa... como posso eu viver longe de meu amado e de meus filhinhos, tão lindos?

Acredito que a lua sorriu e, emocionada, confabulou com as estrelas, com todo o infinito e reconhecendo a bravura daquele gesto, ergueu a Deus um pedido. - Que estas bravas aves pudessem ser ressuscitadas e, além de tudo, que pudessem se destacar entre as demais.

Hoje, em noites claras de lua cheia, nossos heróis nadam com sua família amada.

Majestosos, representam a bondade de Deus que a nós, também premia tornando-nos sempre mais belos aos seus olhos por tudo de bom que fazemos uns pelos outros, pela família e pela natureza.

Então, amiguinhos queridos, gostaram da história?

Lembrem-se sempre de que a tudo que amamos Deus realça e nossos olhos e corações percebem uma beleza que nunca, ninguém, conseguirá destruir. Em noites de lua cheia... os Gansos voltam sempre...

Felizes nadam, iluminados por todos os astros do céu.

 

 

 

Bem, amiguinhos, vamos ler o texto, mais uma vez?

Quero que pensem, onde é o lar de vocês, é num lago???

Quem representa este casal de nossa historinha, na família de vocês?

Vamos estudar mais palavrinhas?

Mas, desta vez não quero palavrinhas com o mesmo significado

Quero falar das palavras quanto ao número de sílabas

 

Elas são – monossílabas – quando existe apenas uma sílaba – exemplo – em, um, mãe, pai

Dissílabas – quando existem duas sílabas – exemplo – pato – garças – corpos

Trissílabas – quando existem três sílabas – exemplo – bonito – marrecos – conheço

Polissílabas – quando existem quatro ou mais sílabas – exemplo - silenciosa – coraçãozinho – majestosa

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados