Riscava-se no passeio, o gráfico

Para  Amarelinha jogar

E, atrapalhando todo o trafégo

Brincávamos, sem ver o tempo passar.

 

Usando o equilíbio

ora um pé, outro acolá

era uma fantasia,

amarelinha jogar.

 

Enquanto isto, no jogo,

Ganhar, era chegar ao céu

Passávamos por todo fogo

Flutuando feito dossel

 

Longe, porém, vai a infância,

Onde o Amarelinha ficou

Jáz, em mim, só a lembrança

Que o tempo nunca apagou!

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados