Acorda menina... é tarde. Acorda sem fazer alarde e venha ver como nasceu lindo... o dia.

A menina virou-se, confortavelmente e fechou bem os olhos.

Pietraaa, venha ver o que aprendi gritava,insistentemente, o irmão Mateo.

Mateo, olha para mim! Reconhece-me? A fada do Sonho precisou ausentar-se e... eu sou ela, por dentro. Agora posso fazer muitas mágicas, a fada me ensinou.

Veja como estou linda e formosa! Vesti-me assim, em lindos tons, principalmente o rosa.

Mas... Pietra, olha para mim, eu também me transformei, por dentro. O Mago do Sonho precisou se ausentar e eu também aprendi a voarrrrrrrrrrrrrrr e a fazer voar estas laranjas, veja!!

Eu agora sou um malabarista e eu também estou usando um sapato encantado além de ter, uma vestimenta de malabarista veja.

Que beleza!!! Disseram ambos.

Naquele belo cenário e após descer as escadas da casa de madeira, foram-se os dois irmãos, transformados, passear naquela linda clareira.

Os pássaros gorjeavam e, de quando em vez pousavam até nas laranjas com as quais Mateo fazia malabarismo.

Nossa, amiguinhos, que experiência fantástica!

O dia transcorreu lindo e cheio de surpresas, o sol invadia as copas das árvores e o entardecer não chegava nunca.

Todos os animaizinhos daquela floresta mágica vivenciaram o quanto de maravilhas Pietra e Mateo fizeram. Quando uma doce chuva quis cair, mais intensamente, Pietra, apenas com um piscar de olhos a acalentava, e o riacho de águas cristalinas a recebia.

Peixinhos multicoloridos nadavam e davam cambalhotas para que os sapos coaxassem, felizes.

As flores, num bailado constante, abriam e fechavam e exalavam um perfume jamais percebido por ninguém.

As abelhas colhiam o néctar e voltavam para fabricar o doce mel, nos favos da colméia.

As formigas levavam as folhas que as árvores trocavam para servir-lhes de alimento, quando o inverno chegasse.

Mas... a noite se vizinhava e a fada e o mago do sono não retornavam.

Pietra e Mateo então, tiveram uma ideia: por que não retornavam para a casa e tentassem adormecer o sonho?

Isto mesmo, crianças, adormecer o sonho.

Pegaram carona nas asas daquele pássaro e, logo logo chegaram em casa.

Mamãe perguntou: -

Meus filhos, até agora brincando de teatrinho?

Sim, mamãe, mas já vamos dormir.

E o lanche? perguntou, preocupada, a mãe.

Já o fizemos, mamãe. Apenas queremos dormir.

E o banho??? É verdade, mamãe, iremos tomá-lo.

Enquanto se despiam arquitetavam planos.

Logo, logo, já prontos para adormecer Pietra correu para o quarto de Mateo e já o deixou dormindo.

Convocou seu anjinho da guarda e contou-lhe seu plano. Ela precisava adormecer o sonho até que a fada e o mago retornassem. Ela e Mateo queriam visitar Ana Lua que mudara-se para outro Paraíso

Mamãe já estava ao lado, lendo-lhes uma história.

Pietra afundou-se entre os lençóis e acordou, no outro dia com a mamãe dizendo.

- Acorda, menina... o dia já se faz lindo e belo. Pietraaaaaaa aaaaaaaaaaaaaaaa, chamou Mateo....

Já estou pronta, vamos?

Mas... Pietra, você adormeceu o sonho e foi ao Paraíso visitar Ana Lua?

Simmmmmmmmmmmmm.

Eu também, Pietra e ela estava muito felizzzzzzzzzzzzzzzzz zzzzzzz.

Ela estava dançando entre lindas flores, borboletas voejando e os anjinhos, iguais a ela, cantavam muito felizes.

Ela estava sorrindo e acenou quando nos viu voltando.

E ai, crianças!!! O que terá acontecido depois????

Eu acho que sei.

Pietra e Mateo contaram esta linda história para a vovó Luli.

Vovó Luli sabe que Ana Lua mora lá no céu, junto às estrelas e a todos os anjinhos.

Pietra e Mateo aguardam que a fada e o mago precisem viajar, novamente para que outra história aconteça e eles venham para nos contar.

Até mais, Pietra, até mais Mateo.

 

beijinhos da Tia Cida.

 

 

Personagens dessa historia

 

Pietra Ana Lua Mateo

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados