Era uma vez um anjinho triste... Mas, anjinho triste? Como é possível?

Foi assim: - havia um dia em que Deus enviava à terra muitos anjinhos, todos alegres e lindos pois tinham a missão de proteger cada um de nós enquanto estivéssemos por aqui.

As mamães anjas entregavam seus anjinhos bem preparados.

Todos tinham que passar por um período de aprendizado para estarem aptos a serem nossos protetores.

Tudo era muito bem acompanhado e nunca, no céu, havia acontecido algo assim.

O que aconteceu???

Calma, chegaremos lá.

Todos os anjinhos sabiam que o lugar para qual cada um era enviado seria um lugar iluminado, com pássaros cantando, flores se abrindo, de todas as formas e todos os tons e perfumes.

Os bichinhos que existem para tornar a natureza mais bela, igualmente deveriam ser felizes.

E chegou o grande dia...

Anjinho número um...Presente!!!!

Anjinho número dois...estou aqui!!!

Anjinho número três...Já vou!!!

E assim aconteceu até que...um anjinho adormeceu.

Anjinho...Anjinho...Anjinho...

Ele dormia, profundamente.

Então, um anjinho, muito esperto que ainda não estava, de todo preparado para a missão resolveu se antecipar e... Eis-me aqui! E se foi.

Ela seria a protetora de uma criança muito levadinha.

Coitada da anjinha

Machucava toda hora, vivia despenteada, esfolada, dormia de cansaço deixando seu protetor ao léu.

Mas...Deus do céu a tudo observava e como respeita o livro arbítrio de cada um, desdobrava seus cuidados à criança que devia ser protegida pela Anjinha e esperava o desfecho da estória.

Um dia, todos os pássaros se entristeceram, todas as flores iam desaparecendo e dos canteiros floridos, quase nada mais existia.

A lagartinha nem encontrava mais estímulo para sair e a anjinha, pobrezinha, vestiu de tristeza profunda o seu olhar.

Então houve uma chuva muito forte.

Sementes foram sopradas pelo vento e a chuva encharcou a terra para que tudo voltasse a florescer.

Os pássaros foram se abrigando nas copas das árvores que já tinham muitos ninhos aconchegantes e aquecidos, prontos para o nascimento de muitos filhotinhos.

As árvores se cobriam de folhas verdinhas e e as sementes da flores foram germinando e cobrindo as de flores.

Os pássaros nasceram, voejavam por todo o lado.

As flores abriram e trouxeram consigo as abelhas para colher néctar e transformá-lo em favos de mel.

As casas se iluminavam de uma luz divina e um novo bercinho balançou à voz terna e suave de uma mãe.

O anjinho triste subiu, após um suave vendaval, seguindo o caminho das estrelas.

Deus que é amor somente, o perdoou e mandou que se preparasse para quando chegasse sua hora tudo acontecesse da melhor forma possível.

No céu os anjos cantavam " Glória a Deus nas alturas e Paz a todos aos homens, certos de que todos os homens, um dia, serão de boa vontade.

Depois, mostrarei a vocês o quanto o anjinho vive feliz e alegre como Deus quer que todos nós sejamos.

A partir do momento em que Cristo morreu pela nossa salvação Deus instituiu a felicidade. Ele não agiria por menos.

Deus nos quer felizes. Basta apenas que queiramos ser.

Mas assim como ao anjinho...

Ele deu o livre arbítrio, também a nós ele dá , e fica feliz quando nos despimos de nossas vestimentas pecaminosas e entendemos que a felicidade existe, aqui e agora, para que pousamos louvá-lo- mais e mais.



Um beijo.

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos



No ar desde 30/07/2008

 


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0
ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados