A Sentença

 

Ariovaldo Cavarzan

 

 

Onde estávamos, quando a multidão referendou a sentença,

impingindo a crucificação?

 

Testemunhas das promessas do iluminado sermão,

espreitávamos em desvãos, fingindo distância, indiferença.

 

Quais Judas dissimulados, nossas túnicas camuflavam

o martelo que faria vibrar o madeiro,

ao trespasse da lancinante dor.

 

Porventura quedamos rendidos à emoção,

ante a sudorese de sangue e sal,

a escorrer pela face do condenado,

ao aprumo de espinhos,

por sobre Sua divina fronte?

 

Aos albores de novos dias,

a paixão segue ecoando o vigor da doce mensagem,

feito melodia a nos ajudar a levar cruzes,

em calvários de esperança.

 

Restam vestígios de bom ânimo,

de sincera lembrança,

bondades semeadas em canteiros de fé,

soerguendo frontes

para o vislumbre do amanhã.

 

Ressurreição sobrevinda à morte.

Sobrevivência demarcando redenção.

Fim a preceder novo norte.

Vida rediviva, impressa em painel de coração.

 

Reforma, renovação,

fraternidade, amor verdadeiro,

de irmão para irmão,

acolhida,  afeto, partilha, perdão.

 

Reinício de jornada.

Sentença de esperança e luz.

 

Paz resumida

na presença ressurreta

de Jesus.

 

 

Campinas, 17/04/2014 

 

 

 

 


 

 

Formatação

Dama Misteriosa

Tube:

Augusta Melo

Enviado gentilmente

por ela.

A quem agradeço.

 

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados