Em teus olhos, meu pequeno ser,
Sinto falta dos teus brinquedos
Das estórias que não te contaram
Para que não ficasses com medo,
Ao anoitecer....

Que braços te abrigaram,
E te acarinharam
E te encorajaram
Até... teu adormecer?

Onde ficou o teu cheiro
De banho tomado,
Cabelo cortado,
E a tua roupinha nova
Quem foi que não te deu?

E, o teu sorriso, criança,
Onde esconderam, de ti?
Espelhados nos teus olhos
Sinto a falta de carinho
De quem traja da vida,
não só o traje do ultraje
Inadequado!
Mas... Inadequada dor.

E meu coração, silente
Te aplaude, pequeno herói,
Porque, meu querido, para mim
Na grande estrada da vida
Sem temor, nem dó, nem ânsia
Tu és apenas
Um guerreiro,
De quem roubaram a esperança.

És meu herói, meu querido
Em quem deposito a confiança
de que consigas, um dia,
Ser o que devias ser
Confiando no teu porvir

Amparado por Aquele
Que muito mais pode, por ti
receba o meu amor, minha GRANDE
Pequena criança!

Se eu pudesse, eu voltava o tempo
Pra que não tivesses que ser
Tão triste, só e humilhado,

Revelando em todo teu ser
Que, o mais que querias
Eras despir-te da ignorância
Sendo, apenas, por ti...

UM CAÇADOR DE INFÂNCIA!

BELO HORIZONTE/MG-BRASIL





Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos



No ar desde 30/07/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo| Voltar |




Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 x 768
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados