Como esquecer? Me ensina?
Pois não aprendi, ainda,
E... eu preciso aprender !
 
Um dia, apossaste da minha vida,
trouxeste-me alegria,
adocicaste o meu ser.
Fizeste-me, tua rainha,
Alegraste o meu viver...
 
Eu... eu que cansada vinha
da caminhava sozinha,
não te buscava,
tu o sabes.
 
E outra coisa não houve,
que me fizesse entender
esta caminhada errada,
que tanto abalou-me o ser.
 
Talvez agora, quem sabe,
nem que não me tenhas dito
O segredo se desfez.
Eu abriguei nos meus braços,
alguém que sozinho vinha
...bem mais só...
mais só que eu.
 
E, os meus carinhos,
quem sabe?
te assustaram, mais nada...
Porque chegaste vazio...
Sem nada prá oferecer.
 
Mas, meu amor, tem um preço
que ninguém pode pagar.
Meu amor é dom,
é dádiva divina
que ofereço sempre,
que me pedido for.
 
Por isso, querido meu,
quando partiste não percebeste
que me levaste contigo
e que contigo fiquei.
 
Apenas, me queixo,
do que me sufoca o peito
e deságua no meu olhar.
Ninguém, até hoje, ainda,
não sei, mesmo, se por maldade
conseguiu me ensinar
Como esquecer!
 
Ou... quem sabe é minha sina!
Mas eu a quero negar.
Por favor!
Eu  preciso aprender
 a te esquecer...
esquecer...
esquecer...
ESQUECER...
Me ensina?
 
 
 
Belo Horizonte
Direitos autorais protegidos





Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos



No ar desde 10/02/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados