Com um voo sinistro, eu me visto

insisto na escuridão, existo!

Galgo olhares além mares,

sinto pulsar as ondas

Que aliviam-me o coração

Enquanto ouço, ao fundo, a canção...

 

Intronizo-me à basílica imagem

e as falas não sugerem audíveis respostas.

Inicio um duelo de solitário monólogo

enquanto o dia explode o sol

e a solidão alivia.

 

Ah! coração dorido

Doridas lembranças me alcançam

Em visões... éspectras...

Holofotes me iluminam e eu me vejo

Então... nua!

Andarilha de um tempo

encantado de depois

 

 

13/08/2013

 

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados