Milhões de estrelas existem, no infinito.
Gosto de fitá-las e o meu olhar se ofusca com tanto brilho.
Como nós, umas estão mais distantes, solitárias...
outras dão-nos, porém, a impressão de que se unem,
em constelações, criam formas e brilham reluzentes
em sua magnitude.
Mas, também, são limitadas em suas vidas e
há o fatal momento que uma , ou,
muitas delas deixarão de brilhar.
Mas não morrerão, porque...

Estrelas não morrem!

Trasmutam-se e vão oferecendo seu brilho à
estrelas menores e se libertam.
Talvez se juntem a asteróides , ou, quem sabe,
até exista outra galáxia para onde elas se mudam
quando se vão do céu.
Também, aqui, bem juntos a nós, muitas estrelas brilham,
todos os dias, em nossas vidas.
Conheço, porém, algumas, de brilho intenso que se foram...
Mas não morreram, porque...

Estrelas não morrem!

Fiz-lhes um céu no peito e as guardei
Para aumentar-me o brilho e a grandeza.
Algumas , mais especiais, até têm nome:
Renata, Rita, Lina, Dulce, Sarah, Maria José...
E não devem ser femininas,
Todas as estrelas porque tenho ,também,
o Ricardo, Manoel, Tasso, Breno,
César, Marcos, Davi, (que partiu hoje).
Não me lembraria de todas ...
mas de todas herdei um pouco do brilho.
Às vezes, sinto-nas nos olhos...brilham de amor e
transparecem em minha face, o seu calor.
Certa de que, um dia também me irei daqui e
de que hei de transferir meu brilho...
para alguém especial...vivas, permaneceremos,
no coração e nas eternas lembranças que nos envolvem...
Sempre seremos estrelas.
Sim, sempre seremos, porque...

ESTRELAS NÃO MORREM!





Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos



No ar desde 10/02/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados