Quando a chuva vem caindo, fina,
Espalhando sobre o céu, um manto sem cor.
Eu me vejo acanhada, sonhando como menina,
Em ter-te aqui, para falar-te do meu amor.

A noite reflete no mar, o infinito
E as ondas se sobrepõem, sem temor.
Eu me pego imaginando vivendo contigo
o mais bonito, sincero e o mais querido amor.

E chega o vento, o açoite a tempestade
Que a tudo verga - o meu pensar, sentir,
o meu querer...
E, de tanto amar-te, de sonhar, acordo...
Percebendo que sonhava, sem poder.

Náufraga das minhas lágrimas,
do meu penar, da minha dor...
Enfrento a realidade que é o presente.
Ficamos no passado, meu amor,
De que me adianta amar-te tanto...
Se acabou?

Belo Horizonte, outubro/2009

Declamação na voz de Astir
 







Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos



No ar desde 30/07/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo| Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 x 768
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados