Não importa se cresci,

tenho alma de criança

Sempre estarei ao teu lado

como o amigo, mais amado.

 

Se alguma coisa eu faço

Que depois sei, não te agrada

Fico triste, e minha alma,

por demais acabrunhada.

 

Meus olhos perdem o viço,

Meu rabinho não se  abana,

Em tudo, mostro-te que a tristeza

Fez em mim, uma cabana.

 

Quero os dias de glória

passeios e nós... lado a lado,

Jamais quero sentir-me

o teu cão, abandonado.

 

Posso estar bem velhinho,

como tu estarás um dia,

Preciso do teu carinho

e também, da tua alegria.

 

Tu serás sempre o meu dono

não me importa onde estiveres

Estarei te esperando

Mesmo, se um dia, não me quiseres.

 

Por isto, e tudo mais que exista

no teu e no meu coração

Nunca, jamais desista

Não abandones o teu cão!

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados