…Não quero vê-la aborreCIDA,

Creio que iluCIDA e “trucida”

a “torCIDA por aí conhecida

 

CIDA, um soneto como nunca recebeu,

D’alguém que inda se julga Romeu,

Mas na realidade…envelheceu!

 

SENHORA:

…Bem nasCIDA, entre família bem pareCIDA

De fazendeiros trabalhadores, estimados;

A CIDA teve educação com todos predicados,

Que mantém na sua vida, agora na desCIDA!

 

Nada s’alterou, vêm-se os traços esmerados,

A beleza na CIDA não está desapareCIDA,

Bem atraente, quiçá, p’las mãos de Deus teCIDA,

Desejo que tenha d’alguém com bons olhados!

 

DeCIDA, Senhora amar é, ver-se renascida,

A idade tem que ser por Si agora venCIDA,

Talvez a hora inCIDA, já, a tornar ser feliz…

 

É, sem duvida uma Senhora apeteCIDA,

É possível, Nossa Senhora d’ApareCIDA,

Dê uma mãozinha certa com funda raiz!

 

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados