O FILHO DO ALTÍSSIMO
 
Primeiro se fez mel
Depois tomou o gosto do fel.
Nasceu para o amor
Experimentou a dor
Foi humilhado e ultrajado
Pisoteado e sacrificado
Até ficar lá no alto:
Estirado e crucificado.
Veio prá plantar a paz
Na palavra do Pai.
Era filho amado
Instrumento de amor.
Pregou o ensinamento
A humildade e simplicidade.
Foi mal interpretado!
Fez-se então o açoite,
O ultraje,
A calúnia.
Por fim... A sentença.
Jogaram no lixo suas palavras
Esqueceram das suas curas
Do seu olhar carregado de bondade.
Cuspiram na sua cara...
Ó, filhos desalmados!
Morreu pregado.
E o calice transbordou
E ele, ressuscitando,
Continuou a plantar amor.
 
 
Marcos Sergio T. Lopes
21/03/2012 
 
 
                                                                        

Créditos:

Tutorial: Denise Worisch

Tubes: Silke e Anja Timmers

Arte e Formatação: Vanda Gigo

Um abraço carinhoso:

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados