Ah! Papai Noel...
como sonhei contigo
Na verdade, não entendia,
porque a mim atendia
e me davas tudo que te pedia.

Embora, criança fosse,
Outras crianças haviam
que te pediam, também...

E o meu brinquedo, meu pai,
Sozinho não tinha graça,
como brincar, sem ninguém?

Ninguém que tivesse o que eu tinha
Mas...diziam-me que eras velhinho
e talvez te esqueceste
daquela vez mas...não!
esqueceste, outras também.

Não te guardei nos meus sonhos
Em ti eu não confiei.
E não confio ainda,
Traíste a esperança
De quem só sonhar podia
E eu, pobre, favorecida
Provei, do sabor da vida,
De ter e não ter, também!.





Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos


No ar desde 30/07/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 x 768
Copyright© Arte & Poesia Todos os Direitos Reservados