Ah, meu amor, se tu soubesses...

o quanto a vida vai fechando portas,

Desfilando imagens fracassadas

Velórios de lembranças tão amadas

Amortalhando as dores, em mil voltas.

 

Se tu soubesses, ainda que a poeira

embaça-nos a visão, qual praga sem imunidade ,

tornando-nos o olhar assim, como cachoeira

que verte nossas dores, com crueldade.

 

Se tu não sabes, porém, te conto agora

Deixe o fluir dos dias rumo à eternidade.

Sê feliz, pois, aqui, agora.

Sem te preocupares se existe um Prazo de Validade

tentando vencer... A nossa felicidade




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados