Ao término do verão, nova estação no ar.

No ar que inspiro de olhos fechados.

Ah! travesso coração,  que de

de sofrer, anda ouvindo rosas.

  

A borboleta deixou a coroa de flores

com que se vestiu.

Voou e pousou-me ao peito,

parece que... procurando um leito.

 

E o verão destilava flores .

E  folhas, cobriam-me  a face e

salpicavam meu corpo

pintando tatuagens,

que se desdobravam silentes,

salpicando sementes.

 

Sementes que germinavam

nessa nova estação

Das  rosas que exalam,

Das   Rosas que Falam...

Ao meu coração!

 

 

Agradeço ao Junior P. Almeida

pela imagem principal usada nessa página.

 

 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos

   


 


 


No ar desde 30/07/2008



Deixe um recadinho no meu livro de visitas


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados