O negrume da noite fazia fundo àquele quadro que se
descortinava aos meus olhos.
O silêncio, vestia os cri cris dos grilos e o vento trazia o perfume
da natureza que adormecera.
Aos meus olhos , saltitantes vagalumes se exercitavam parecendo um
 festival de lampiões ornando o espaço.
Acima de meus olhos...brilhavam as estrelas, no céu!
E eu me entregava ao espetáculo que a natureza apresentava.
Junto a mim, à janela, minhas recordações chegavam e com elas,
 quantas saudades!
Meus olhos se cerravam e num impulso quase imperceptível
mergulhavam-me o peito, a tudo vasculhando e fazendo transbordar,
ora sorrisos em minha face, ora fios de saudade engolidos por um nó seco, ou, simplesmente, como filetes de lágrimas timidamente vertidas.
Meu olhar procurou descansar minha saudade no céu.
Quantas saudades eu sentia dela...a minha Borboletinha Azul que se
transformou naquela estrela que me sorria, todas as noites.
A minha borboletinha azul que quebrara a asinha, lembram-se?
Agora ele morava no céu junto a tantas outras borboletas
transformadas em estrelas.
Morava em um jardim onde brincava com outras estrelas,
de todas as cores.
E ela, contou-me o Vagalume que gostava de visitar-me àquela
hora de solitude...
Ela, todas as noites emitia um brilho especial para aquecê-lo e fazê-lo
 lembrar de que, embora distante ela ainda o amava.
Um amor, agora alimentado somente pelo brilho e pelo olhar.
Os outros vagalumes , piscando na noite vinham procurar pelo amigo,
tão solitário.
Mas ele, o vagalume da estrelinha azul era... um vagalume apaixonado.
O céu parecia-lhe tão longe...
Sua estrelinha somente podia aparecer em noites em que as tempestades
 não representavam nenhum perigo.
E o vagalume também lutava contra o vento e contra a chuva.
Que triste amor!
Eu disfarçava minha dor querendo consolar o pobre vagalume.
Amanhã é noite de natal, amiguinho.
- Dirija seu pensamento àquele Menininho que nasce todos os anos.
- É por isto que Ele é sempre chamado de Menino Jesus?
Se Ele nasce todos os anos, Ele não cresce muito.
- Não consegui deter meu sorriso. Que idéia!
Mas... pensando bem, meu amigo vagalume até que tem razão.
Nosso Menino Jesus é sempre menino.
Assim Ele conserva a magia nos corações de todas as crianças.
Não pudemos encerrar nossas divagações pois o vento
cismou de soprar forte.
O pequeno Vagalume apaixonado acionou sua lanterna e foi-se,
voando, para sua casa.
Mas eu falei, à sua saída.
Vagalume... peça ao Menino Jesus para trazer sua Estrelinha amanhã.
A estrelinha azul que ouvira toda nossa conversa
sorriu-me lá das alturas.
Piscou-me o olhinho como a me dizer.
Amanhã é noite de natal. Muitas estrelas irão se juntar para iluminar,
 novamente, o lugar onde o Menino Jesus irá nascer.
Ele nascerá em muitos corações e, neste momento, eu estarei à porta do coração do meu vagalume.
Nossos brilhos serão inconfundíveis assim como o brilho de todos aqueles
 que fizerem de seu coração a manjedoura para o Menino nascer.
E eu fui dormir embalada pelo canto do vento e a sensação de que
amanhã, a noite nos revelaria muitas surpresas.
Acordei ouvindo o bater dos sinos anunciando que aquela noite
seria uma noite diferente.
Noite de Natal!
De repente um coro angelical canta, suavemente,
Noite Feliz...Noite Feliz...
Uma estrela cadente inunda meus olhos de uma claridade diferente.
É ela...minha borboletinha azul que se transformou em uma
estrelinha azul.
É ele... o vagalume apaixonado!!!
Brilham na terra para celebrar o nascimento de Jesus!
Lágrimas de felicidade saltavam-me aos olhos.
Minha estrelinha azul me sorria e, ao seu lado, eu vi o vagalume
 apaixonado.
Foram para o céu!!! Brilhar junto a todos os astros.
Uma grande paz envolveu-me a alma.
Um dia eu os verei, novamente.
Minha estrelinha azul e o Vagalume...totalmente apaixonados!
Feliz natal, Estrelinha Azul
Feliz natal, Vagalume apaixonado
Feliz natal, Minha Bailarina
Feliz natal, amiguinhos.
 




Clique Aqui e Envie
Para Seus Amigos


No ar desde 30/07/2008


 


| Home | Menu | Fale Comigo | Voltar |


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados